Header AD

Leitura de Cabeceira | O Sol é Para Todos

 
 
Olá leitores do TPJ nesse mais um 'Leitura de Cabeceira' venho falar de um livro que vocês já devem ter ouvido muito falar em filmes estadunidenses, por um ser um clássico da literatura americana: 'O Sol é Para Todos' (To Kill a Mockingbird).
 
Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. 'O Sol é Para Todos', com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

O romance é baseado livremente nas memórias familiares da autora, assim como em um evento ocorrido próximo a sua cidade natal em 1936, quando ela estava com 10 anos de idade.

Como um romance gótico do sul e Bildungsroman, os temas principais de To Kill a Mockingbird envolvem a injustiça racial e a destruição da inocência. Estudiosos notaram que Lee também aborda questões de classe, de coragem, compaixão e papéis de gênero no extremo sul americano.

Premiação:

 
- O Sol é para Todos é um romance vencedor do Pulitzer. O Prêmio Pulitzer é um prêmio norte-americano outorgado a pessoas que realizem trabalhos de excelência na área do jornalismo, literatura e composição musical. É administrado pela Universidade de Colúmbia, em Nova York.

Curiosidades do Livro:

 
- Foi um sucesso instantâneo, se tornando um dos maiores clássicos da literatura norte-americana moderna.

- Deu origem a um filme homônimo, vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado em 1962.

- O livro é amplamente ensinado nas escolas nos Estados Unidos, com aulas que enfatizam a tolerância e condenam o preconceito.

- Apesar de seus temas, To Kill a Mockingbird tem sido alvo de campanhas para sua remoção das escolas públicas, muitas vezes desafiado por seu uso de epítetos raciais.

- Desde 1990, uma peça baseada no romance é realizada anualmente na cidade natal de Harper Lee, Monroeville, Alabama.

- Até o momento, é o único romance publicado de Lee, e embora ela continue a responder pelo impacto do livro, ela recusa qualquer publicidade pessoal ou para o romance desde 1964.

- O título do livro era Atticus, mas Lee optou por trocar seu nome a fim de que o título mostrasse que a história ia além do retrato de um personagem.
 
- Em 2006, uma pesquisa na Inglaterra colocou O Sol é Para Todos no primeiro lugar da lista de livros mais importantes, seguido da Bíblia e de O senhor dos anéis, de J. R. R. Tokien.

Adaptação para Filme

 
To Kill a Mockingbird (no Brasil, "O Sol é Para Todos") é um filme americano de 1962, do gênero drama, baseado no livro homônimo de Harper Lee, com roteiro adaptado por Horton Foote e direção de Robert Mulligan.

Elenco

  • Gregory Peck .... Atticus Finch
  • John Megna .... Dill Harris
  • Frank Overton .... Xerife Heck Tate
  • Rosemary Murphy .... Sra. Maudie Atkinson
  • Ruth White .... Sra. Dubose
  • Brock Peters .... Tom Robinson
  • Estelle Evans .... Calpurnia
  • Paul Fix .... Juiz Taylor
  • Robert Duvall .... Arthur Radley
  • Collin Wilcox Paxton .... Mayella Violet Ewell
  • James Anderson .... Bob Ewell
  • Alice Ghostley .... Stephanie Crawford
  • Mary Badham .... Louise Finch
  • Phillip Alford .... Jem Finch
  • William Windom .... Promotor Gilmer
  • Richard Hale .... Nathan Radley
  • Crahan Denton .... Walter Cunningham Sr.
  • David Crawford .... David Robinson
  • Kim Hamilton .... Helen Robinson
  • William Walker .... Reverendo Sykes
  • Guy Wilkerson .... Primeiro jurado
  • Curiosidades do Filme:

    - O Sol É Para Todos é a estréia do ator Robert Duvall no cinema.

    - Para interpretar o personagem Arthur Radley, Robert Duvall ficou seis semanas sem pegar sol, já que o personagem estava há muito tempo em reclusão e não poderia aparecer bronzeado.

    - Os atores Mary Badham e Gregory Peck ficaram próximos durante as filmagens e foram amigos durante toda a vida.

    - Segundo os quadrinhos do super herói, O Sol É Para Todos é o filme favorito de Clark Kent, o herói Superman.

    Prêmios para o Filme

  • Oscar de melhor ator (Gregory Peck)
  • Oscar de Melhor Roteiro Adaptado
  • Oscar de Melhor Direção de Arte em P&B
  • Indicação ao Oscar de Melhor Filme
  • Indicação ao Oscar de Melhor Direção
  • Indicação ao Oscar de Melhor Fotografia
  • Indicação ao Oscar de Melhor Trilha Sonora
  • Indicação ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Mary Badham)
  • Academia Britânica - Prêmio de Melhor Filme
  • Academia Britânica - Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (Gregory Peck)
  • Indicação ao Prêmio Academia Britânica de Melhor Filme
  • Globo de Ouro - Prêmio de Melhor Ator-Drama (Gregory Peck)
  • Globo de Ouro - Prêmio de Melhor Filme promovendo a compreensão internacional
  • Globo de Ouro - Prêmio de Melhor Trilha Sonora
  • Indicação ao Globo de Ouro de Melhor Filme-Drama
  • Festival de Cannes - Prêmio Gary Cooper (Robert Mulligan)
  • American Film Institute: O Sol é Para Todos foi eleito pelo American Film Institute, em 1998, como um dos 100 melhores filmes (34 º lugar). Em 2006, o mesmo American Film Institute, elegeu-o em 2ª lugar entre os 100 filmes americanos mais inspiradores. Em 2007, eleito entre os 100 melhores filmes americanos, dessa vez em 25º lugar pelo American Film Institute. Em 2008, eleito pelo AFI no topo (1º lugar) dos 10 melhores filmes de tribunal.
  • O personagem Atticus Finch, vivido por Gregory Peck, foi eleito em 2003, através de pesquisa do American Film Institute como o maior herói do cinema americano de todos os tempos.
  • Autora

    Harper Lee

     
     
    Harper Lee nasceu em 1926 e cresceu em Monroeville, Alabama no sul dos Estados Unidos onde conheceu e ficou amiga de Truman Capote, que logo se tornaria um grande escritor. Ela estudou em Huntingdon College em Montgomery (1944-45) e depois cursou direito na Universidade do Alabama (1945-49). Durante a faculdade, Harper Lee publicou textos nas revistas literárias universitárias: Huntress da faculdade de Huntingdon e na revista humorística RammerJammer da Universidade do Alabama.

    Em ambas as faculdades, ela escreveu contos e outras obras sobre injustiça racial, um tópico raramente abordado nas universidades da época. Em 1950, Lee se mudou para Nova York onde ela trabalhou no setor de reservas da companhia aérea British Overseas Airways Corporation. Durante esse período, Lee começou a escrever uma coletânea de ensaios e contos sobre as pessoas que viviam em Monroeville. Com a esperança de ter seu trabalho publicado, Harper enviou seus escritos a um agente literário em 1957, sob a recomendação de Capote. Um editor da J.B. Lippincott aconselhou Harper Lee a deixar seu emprego na companhia aérea e concentrar-se somente na escrita. Por um ano ela conseguiu escrever sem interrupção graças a doações de amigos.

    Lee passou dois anos e meio escrevendo To Kill a Mockingbird. Em uma descrição do processo de criação do livro pela National Endowment for the Arts, há um relato de um episódio em que Lee estava tão frustrada com o livro que ela jogou o manuscrito pela janela, que caiu na neve. O agente de Lee a forçou a recupera-lo. O livro foi publicado em 11 de julho de 1960. No início, o título do livro era Atticus, mas Lee optou por trocar seu nome a fim de que o título mostrasse que a história ia além do retrato de um personagem. A equipe editorial da Lippincott alertou Lee de que ela provavelmente só venderia alguns milhares de cópias.

    Em 1964, Lee falou sobre as esperanças que tinha para o livro, “Eu nunca esperei nenhum tipo de sucesso com ‘Mockingbird’, eu esperava por uma morte rápida e indolor nas mãos dos críticos mas, ao mesmo tempo, eu também esperava que alguém fosse gostar do livro a ponto de me encorajar. Publicamente.”

    “Minhas expectativas eram baixas, como eu disse, mas a recepção foi muito boa e, de certa forma, isso foi tão assustador quanto a morte rápida e indolor que eu esperava.” Em vez de uma “morte rápida e indolor”, o Reader’s Digest Condensed Books escolheu o livro para ser reimpresso em fascículos, conquistando um público leitor imediatamente. To Kill a Mockingbird nunca deixou de ganhar novas edições desde sua publicação original.
     
    Leitura de Cabeceira | O Sol é Para Todos Leitura de Cabeceira | O Sol é Para Todos Reviewed by Luara Moraes Leão on 30.9.15 Rating: 5

    Nenhum comentário

    Post AD