Header AD

Literaturando: Renascimento

Olá, pessoas! Venho aqui hoje continuar nossa saga literária, agora, com o Renascimento.

1) Contexto Histórico
Nos séculos XV e XVI, o investimento de mecenas em artistas aumentou consideravelmente, por conta das conquistas marítimas e do acúmulo de capital por conta da navegação. Esses mecenas eram governantes, grandes comerciantes e o clero. Por conta do grande número de transações comerciais na região italiana, cidades como Florença, Veneza e Gênova ficaram conhecidas como centro do movimento.

2) Características gerais
O Renascimento é caracterizado, principalmente, pelo racionalismo e pelo equilíbrio. O mundo e homem eram movidos pela razão e este está no centro daquele (Antropocentrismo), abandonando a ideia de que Deus estaria no centro do mundo (Teocentrismo). Também chamado de Classicismo, foi trazido para Portugal por Sá de Miranda.
Quanto à versificação, destaca-se a medida nova, com versos decassílabos e formas fixas, se opondo, assim, à medida velha, com redondilhos (menor = 5 sílabas, maior = 7 sílabas), mote (versos introdutórios com o tema do poema) e glosa (desenvolvimento do poema).
O Renascimento sofria muita influência da antiguidade greco-romana, por isso, nas obras, vê-se elementos dessa cultura, tais como deuses.

3) Camões
O maior expoente do Renascimento Português foi, sem dúvida alguma, Luís Vaz de Camões. Em suas obras, utilizava a medida nova e, frequentemente, o soneto petrarquiano (dois quartetos e dois tercetos). Considerado poeta-filósofo, seus principais temas eram o desconcerto do mundo, o amor platônico e a mudança constante de tudo. Sua obra mais célebre é  Os Lusíadas.

4) Os Lusíadas
Essa obra é classificada como uma epopeia, ou seja, um poema épico, longo, que trata da aventura de um herói e de um determinado momento histórico. Suas influências estão na Ilíada e Odisseia, de Homero, e na Eneida, de Virgílio.
Aqui, o herói retratado é Vasco da Gama, o qual representa o povo português.
Em medida nova, Camões escreveu 1102 estrofes, cada uma com oito versos decassílabos e oitava-rima, tendo influências clássicas, divididas em 10 cantos: Proposição, Invocação, Dedicatória, Narração e Epílogo.
Proposição -> introdução do assunto e dos heróis (estrofes 1 a 3 do Canto I)
Invocação -> invocar as ninfas do Rio Tejo (Tágides) para lhe deem inspiração (estrofes 4 e 5 do Canto I)
Dedicatória -> Camões dedica a obra ao rei D. Sebastião (estrofes 6 a 18 do Canto I)
Narração -> a história propriamente dita, contada in media res, ou seja, sem seguir a linha do tempo normal, partindo do meio e voltando ao começo da civilização portuguesa até chegar ao ponto em que parou (estrofe 19, do Canto I, até estrofe 144, do Canto X)
Epílogo -> fim da obra, tom melancólico, tanto pelo desaparecimento de D. Sebastião, tanto por sua "voz rouca" não ser mais ouvida com atenção.

Alguns dos episódios mais importantes da obra são: O Velho do Restelo, O Gigante Adamastor, Inês de Castro e A Ilha dos Amores.
Literaturando: Renascimento Literaturando: Renascimento Reviewed by Carolina Soares on 14.10.14 Rating: 5

Nenhum comentário

Post AD